terça-feira, 23 de julho de 2013

Tédio



Tédio, é quase tudo igual
Normal
Não há nada de passional
Sem alegria, sem nenhum mal

Tédio, as horas demoram a passar
O relogio se cala e para de rodar
Quero Apressar
Apressar
O Balanço do tempo
Com a mesma velocidade das ondas do mar.

Tédio, onde você esconde o entardecer?
Onde sufoca e mata o que se deve fazer?
Tédio... Tédio... Quero te pisar
Esnobar
Todo seu escarnio revidar...

O tédio fez um acordo com o silêncio
Compactuou com a solidão
Nos deu um balde do selenio
Que desacelerou o coração...

Camilla da Silva Ribeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário