terça-feira, 26 de março de 2013

Nada Em mim...



Nada em mim
Sobrou
Viveu
Porque tudo Enfim
Desvaneceu
Ao som dos soluços
Do meu Mundo...
Morreu... Morreu.

Nada em mim
Suportou o pranto
Castelos Ruídos
Ilusões, mero Encanto
Sonhos Perdidos
Enganos...Enganos


Nada em Mim
Libertou o Grito
Silêncio
Infinito
Apenas o gemido
Tão Profundo
Dolorido
Sentido.. Sentido...

Nada em mim
Porque nada sou
Ao olhos ceguei
Meu Amor
Exalando
Suspirando
A torrente de dor...
Suplantou... Suplantou...

Nada em mim
Porque de nada restou
No peito em cinzas
O vento Espalhou
Momentos
Sentimentos
Aos Ceus Voou... Voou
Em uma noite sem vida e cor!


Camilla da Silva Ribeiro


Nenhum comentário:

Postar um comentário