segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Preciso...





Preciso pensar em mim
Saber que na vida pra tudo tem um fim
Abandonar a arte de me afogar no infinito do seu mar
Deixar
Calar
Soterrar
A magia inexorável de amar...






Preciso estar mais uma vez aqui
Com os pés bem cravados no chão
Viver uma fantasia é abrir asas para Ilusão
Afundar nos devaneios da paixão
Para por fim, se perder no vale perdido da solidão...






Preciso aprender a secar as lágrimas
Tomar a liberdade como minha verdade
Tirar o fascínio, virar todas as páginas
Dói no peito a faca cravada da saudade!






Preciso... Preciso esquecer como é bom te amar
De como é sentir seu corpo junto a mim
A candura efervecente de seu olhar
Magia, fogos, sonhos de marfim!






Mas por mais que eu tente esquecer
É como apagar as lembranças de meu próprio alvorecer
É negar um parte, um complemento de meu ser
Deixar-te, meu bem, é negar
Arrancar
Matar
A verdade mais linda de meu viver!






Preciso aceitar que tudo já acabou
Que nos sobraram recordações
Baladas suaves do passado
A mágia silenciada das batidas de nossos corações...
Restos de nossa vida misturados aos requíscios das emoções.






Camilla da Silva Ribeiro

Um comentário: