quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Imagens


Olho para céu e em vão procuro ver o seu fim.... As gaivotas voam tão longe. Acenam... Acenam...Transpassam as montanhas douradas pelos raios sublimes da manhã!
A nevoa se espaça delineando, num vapor frio, as arvores e a terra como se fossem véus de ilusão... Uma imagem escondida.... Uma vida feita de mentira.

Clareia céu tumultuado pela escuridão da noite! Clareia os lençóis negros que cobrem, a superfície. Olho para o liso tapete sem estrelas e lua procurando achar a verdade, a minha verdade. Por que só escuto o chorar angustiado dos morcegos, o reclamar histérico das corujas quando poderia ressurgir das cinzas as flores de um dia claro!

Olho em vão o fim de tudo, o mistério de mim... Passeio numa floresta onde as copas das arvores escondem o fascínio de um céu azul. Ando admirando os trocos grossos, as folhagens sobre os chãos de terra avermelhada. Quanto mais ando não sei onde vou chegar... Parece que andei por horas. Eu choro de medo junto aos sons dos animais. Eu corro. Eu quero chegar! Não consigo... Não... Eu tropeço, mas logo levanto e nunca me disperso. Continuando indo nesse mesmo ritmo, reto e rápido. Percebo que tenho que esperar, ir devagar, para não cair e chegar lá. Assim mudo de ritmo.

As rosas nunca foram tão perfeitas. Era um jardim só de rosas. O vermelho se confundia numa extensão imensa onde o cheiro penetrava docemente pelas minhas narinas e se expandia dentro de mim. E os pássaros dançavam em valsa com o vento que sussurrava beijando os meus cabelos. Agora eu não corro, eu rodopio sobre os olhos azuis do céu. Agora eu já pintei a minha imagem verdadeira e a minha felicidade no papel da vida...

Beija-flor


O beija-flor que beijou
A carola perdida da flor
Sugando todo o calor
O amor perfumado em cor

O beija-flor a cantar
A piá... A piá
Seu coração a pulsar
No bailado de suas asas a girar

O beija-flor a toda seiva devorou
Ofegou... Ofegou...
Mergulhou... Mergulhou..
Nos céus profundos e sem fim
Gozou... Gozou

O beija-flor sem medo está
Destino Lágrime não queirerá
Sentindo a vida em seu coração
Em cada vôo uma emoção!

Escrevo


Escrevo letras emergidas de sinfonia
Advindas de todas as alegrias
Os fatos vividos de cada ser
Surgindo das esperanças
De loucuras ou de lembranças
A história do amanhecer!

Escrevo para afastar o cálice da dor
Bebido em taça de ouro escarlate
Na rotina e nessa insana realidade
Mascarados em rostos e escondidos em futilidades
De um mundo carente de amor!

Escrevo para esquecer
Viajar além das estrelas
Encontrar em sonhos minha maior esfera
Desenhar em quadros límpos a aquarela
Formada por rimas, versos e prazer!

Escrevos para afastar todos os males
A agonia de minhas próprias saudades
Constituídas por todas as imagens
De minha história e verdades
Existentes na sela de meu ser!

Escrevo... Escrevo apenas por mim
Por minha egoísta necessidade
Para abandonar meus fantasmas à margem
Dando a vida a luz e a esperança o renascer.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Saudades


Sinto saudades, mais de mim do que propriamente de você. Já está mtão entranhado em mim, tão marcado e eternizado em meu corpo e em minha alma, que não sei quem eu sou se não está mais ao meu lado:

Tenho saudades de ser uma pena a voar
Deslizando a conhecer o mundo, a te trilhar
Serei uma vela estirando a haste a uma direção sem destino
Vagando sem meu porto, sem meu abrigo
Vivendo, seguindo sem um sentido
Por um caminho turvo, que não sei para onde me levará!

Tenho saudades de sentir meu coraçao bater
Nossos corpos suados e unidos iluninados pelo sol, antes do anoitecer
Da sua voz me reservando palavras de mel
Era tudo tão perfeito quanto estar me perdendo no céu!
Serei então, uma lágrima invisivel a deslizar pelas sombras da noite
A evaporar no silêncio da madrugada...
Para morrer para sempre nas sombras da inexisncia durante o dia!

Tenho saudades da pétula macia e perfumada do amor
A alisar minha vida com sua beleza e sua cor.
Das rápidas demonstrações de me querer bem
De me fazer sentirque nossos momentos eram mais que passagens e sonhos além...
Serei então...
Uma fortaleza dura e implacável a conserva minha paz.
Pois nada de você eu tenho mais
Do que lembranças, sonhos e esperaças perdidas.

Camilla da Silva Ribeiro

Saudade

Saudade é solidão acompanhada,
é quando o amor ainda não foi embora,
mas o amado já...

Saudade é amar um passado que ainda não passou,
é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida...

Saudade é sentir que existe o que não existe mais...

Saudade é o inferno dos que perderam,
é a dor dos que ficaram para trás,
é o gosto de morte na boca dos que continuam...

Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou.

E esse é o maior dos sofrimentos:
não ter por quem sentir saudades,
passar pela vida e não viver.

O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido.
Pablo Neruda

Verdade


Quando muito as coisas se repentem, pare e pense o porque isso acontece. Penetre bem fundo em seu mundo, desvende as paisagens que existem por trás das muralhas de seus medos. Pule, mesmo se for muito alto ou se machuque. Às vezes a verdade pode parecer dolorida e vir acompanhada por uma paisagem onde há pantanos lodosos, céus enegrecidos de corvos uivantes... Mas se caminhares mais, muito mais além dos precipícios encontrará o outro lado da floresta... Estará te esperando um richo de águas límpidas e potáveis para acalmar sua sede, o cheiro leve e refrescante das flores a penetrar em seus pulmões, aliviando o asfixiamento ocasionado pela dor...A verdade machuca e dói, para muitos se torna um choque, para outros um alívio reconfortante, mas no final sempre é uma dor necessária.
Pedirei a verdade em um cálice de remédio amargo, curando minhas doenças morais e dando ao meu espírito uma essencia saudável. Ela virá primeiramente vestida numa túnica remendada e maltrapilha, inicialmente me causando nojo e rejeição... Mas esticarei minhas mãos tocando-a e puxando junto a mim no anseio apenas de ajudar e por comiseração... Olharei bem por dentro de seus olhos e enxergarei nela minha própria imagem a defenir os contornos profundos de meu ser. Então, se iniciará um processo de troca. Sim de troca! Aquela roupa encardida que tando me causava medo, será trocada por um vestindo carmim e limpo.
No final, sempre a verdade prevalece. Não há como fugir. Mentir pra si mesmo ou simplesmente fechar os olhos. Sem ela, não sabemos quem somos, como mudamos traços negativos de nossa personalidade. Vivemos em redes incalculáveis e sem fim de fatos e voltamos ao mesmo destino: a de sofrer.