sexta-feira, 11 de março de 2011

Em Mim


Fecho os olhos e abro as janelas da alma
Sinto a brisa soprar meus cabelos.
Estou novamente com os pés no chão.
Mesmo parecendo tão sozinha na multidão.
Não me perdi de mim mesma, não construi cavernas
Para evitar tanta dor e tanta amargura
Meus passos de agora são outros. São passos feitos de candura.

Calo meus lábios e dou liberdade aos pensamentos
São tão suaves quanto o voo dos pássaros
Estou novamente a traçar a linha inexorável do horizonte
Mesmo no silencio absoluto do ser
Pois que dele muitas soluções e verdades podem nascer
Não constri rotas para me desviar da loucura
Ou castelos de promessas para me proteger das persseguições
Meus passos de agora são feitos de realidade, de redenções.

Não escuto palavras que refletem ódio ou rancor
Na esfera na vida o que nos resta é apenas amor
Que reverbea por entre as paredes e miragens da dor
Cantando nos quadros da vida a musica calada do Criador

Camilla da Silva Ribeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário