segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Uma Carta de Amor



Meu Amor,

Não há palavras para definir como meu coração bate agora... Tão suave, como as ondulações das luzes na aurora arboreal. Fecho meus olhos e consigo enxergar além das íris. Consigo assistir nossos momentos em detalhes e viajo nas impressões anteriores. E você está aqui novamente. Sua risada ainda atinge todos sons desse quarto, absorve meus ouvidos. Seus gestos, palavras, beijos. Sinto sua presença viva e ao meu lado.
Eu precisava dizer tantas palavras e mostrar minhas vitórias. Percebo que já não está aqui para escutar a narrativa de meu dia tumultuado ou meus passos tão comuns e monótonos. Gostaria de reclamar daquela vizinha que me acorda às três da manhã e relatar como nossos filhos crescem com saúde e alegria. Mas você não está e não escuta a voz que ressoa de meu ser. Olho na janela e percebo o horizonte negro. É noite. Eu pergunto as estrelas se são capazes de escutar a voz calada do meu lamento. Se podem levar a mensagem abstrata que corre em mim e que está preso em meu olhar... Oh, onde você está (pergunta).
Meu amor, você partiu sem ao menos dizer adeus. Levou na sua mala uma metade grandiosa de meus sonhos. Deixou-me à espera do som da chave que roda na fechadura, dos sapatos a batucar nas tabuas de madeira da sala e ao gemido estridente do piano em meio a madrugada. A falta que você me faz é tão grande que às vezes penso que estou oca por dentro, vazia. Nessa horas sinto uma raiva tão grande que lágrimas rolam de meus olhos e banham a minha face. Não consigo atinar o porque me deixou e o quanto foi fraco por se deixar levar por tudo o que nos aconteceu... Então, deixo o tempo me levar no tique taque mordaz que se arrasta. Eu espero a sua volta... Eu te espero na sala de estar
Mas a verdade que nunca voltará para mim. Suas últimas semanas de vida mostraram quanto seu sofrimento era palpavel e que os sons de sua cosnciencia se esvaíam pouco a pouco. Eu precisa apenas te contar que meu amor é tão intenso quanto as profundezeas de um mar, como o infinto estrelado do universo e tão belo quanto a imagem do pôr do sol de verão... Precisava te dizer que se a vida é eterna como muitos contam, eu te peço que me espere no final do túnel, quando meu ultimo suspirto soar de meus lábios. Eu preciso sentir que há uma esperança e que para nós não existe um fim
Meu amor, essa carta é para dizer que quando tudo acabar, eu vou novamente te encontrar. Segurar as suas mãos, me colar em seu abraço... Efim, te eternizar em mim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário