sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Planeta Terra


Linhas douradas riscam o tapete azul anil. Assim desmanchando a pintura das nuvens, caem tocando, mergulhando quais seres celestiais por entre as copas verdes das arvores...

Pássaros como o colibri bebe os néctares das carolas perdidas nas redes de pétalas macias e cheirosas.

Ó estrelas do céu! A imensidão mágica de seus sorrisos se espelha nos quadros da Terra! Encantam em poemas tão eternos, em lembranças e fatos marcados por suas presenças.

O mar debruça devagarzinho numa ida e vinda que se perpetua com os cantares das ondas. Estas abraçam as pedras, dançam com o vento. Sopram cantigas ao encontrarem os recifes.

O céu se escurece... É mais um dia. Lá vem o horizonte perdido na vastidão de pequenas árvores de troncos torcidos. Um vermelho se derrama pelas cortinas de nuvens que se formam e que se encontram com os primeiros morcegos. A noite chega.

As pessoas correm, os pássaros voam, os cachorros latem e se coçam... A lua, o sol. A chuva e o azul cristalino do céu. É à noite, o dia e a madrugada.

As estações passam como uma pena voa numa tempestade. Os anos se transcendem no movimento que se interage com suas percepções e conceitos. A lua volta, os pássaros morrem, mas haverá outros para embalar a manhã... Há a beleza tão suave das imagens de um dia de verão que se renovará a cada ano. Você verá? Verá os raios se transformarem em seres imaginários que salpicam o horizonte, iluminam o musgo?

As chuvas caem para fazer da terra um útero que gera vida, para revigorar a beleza das árvores e flores... Para dar um sentido, uma direção para vida que se transforma, que se repete, que se alumia diante das causas. Você vê a chuva cair? Não é tão refrescante ver as gotinhas molharem os vidros das janelas e molhar as folhas do jardim?

Como é olhar para o mundo sem ter a certeza de que tudo muda? Por que corremos tanto? A Terra gira e seus ciclos se renovam a cada dia. Tudo se transforma: A matéria, a natureza. Nenhum pôr ou nascer do sol será o mesmo, pois cada dia Deus pinta um quadro mais belo. Seja ele entre as tempestades, entre os pântanos e penhascos.

Assim como o tempo passa a dor que está em seu peito passará, pois que Tudo na Terra é passageiro, gira em torno de idéias, de imagens. As estações mudarão dentro de ti quando os primeiros raios fazerem o seu nascer, depois da morte de seus medos e fracassos. Movimente-se! Viva! Permita-se fazer parte do ciclo mais importante – As suas necessidades, razoes e verdades se movimentando, se transformando!


Camilla da Silva Ribeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário