domingo, 30 de janeiro de 2011

Eu pensei,


Que pudesse encostar as pontas dos dedos nas estrelas
Que o amor explodiria no peito feito cometas
Que pudesse amar sem me ferir
Retornar a mim mesma, estar de onde parti.

Ó tão sofrida é a desilusão!
O amor é que nem um furacão
Devora sonhos, momentos, o coração!

Eu pensei tantas coisas para dizer
No silencio da noite, diante do amanhecer
Eu pensei que pudesse errar e me redimir
Sonhar sem nunca acordar, acreditar sem questionar.

Ó tão sofrida é a desilusão!
As lembraças são que nem uma canção
Toca na alma, afunda nas vertentes da emoção!

Eu pensei que escalar montanhas fosse o suficiente
Para chegar ao topo de seu coração
Mero engano, não se pode chegar sem autorização.

Eu pensei! Ah eu pensei tanta coisa!
Que poemas eram flores
Que de declarações surgem amores
Sem me importar com possíveis dissabores

Eu pensei que me amasse
Mas para você só foi uma frase
Solta, perdida e infeliz!

Camilla da Silva Ribeiro

Poema feito em 08-10-2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário