quarta-feira, 2 de junho de 2010

Lembre-se




Lembre-se que depois de uma tempestade sempre há a calmaria das ondas nas areias da praia.
Que o soluço que lhe arrebata o peito varrerá os vestígios da dor, limpando a alma e mostrando o erro.

Lembre-se que se agora tu só tens uma noite escura e silenciosa, na manhã terás os raios que penetram em sua janela.
Que às vezes precisamos caminhar na sombra antes de encontrar o melhor atalho para chegarmos nos vales perdidos da alma.

Lembre-se que se encontras agora as folhas de uma ventania constante é porque estas foram trazidas por atos impensados, blasfêmias jogadas ao ar. As mesmas folhas que vieram se irão levadas pelas correntes do autoconhecimento.
Que um momento de sofrimento é apenas um segundo diante da vida eterna. Poderás então recomeçar de novo, cada vez mais forte... O vento levou para longe a dor e trouxe o amor...

Lembre-se que sem o amor somos seres pequeninos escondidos numa pequena conchinha, jogados na imensidão do mar.
Que sem amor estamos perdidos, invisíveis e insolúveis a realidade.
Construir uma centelha de amor é construir alicerces para vida...

Camilla da Silva Ribeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário